quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

ENSINANDO MEDIDAS DE COMPRIMENTO


Trabalho desenvolvido pela aluna Adriana M.Oliveira, direcionado para alunos da 2ª série do ensino fundamental.




INTRODUÇÃO:

O ensino de grandezas e medidas é um campo vasto para o professor elaborar atividades relacionadas com o dia-a-dia do aluno. Por ser tratar de convenções abstratas, as unidades de medidas devem ser trabalhadas em situações práticas, com o auxílio de instrumentos como relógio, calendário, balança e régua.
Uma conversa com os alunos antes de cada atividade é importante para ter conhecimento do grau de intimidade que cada criança tem com o assunto tratado e, a partir daí, elaborar atividades como: jogos, trabalhos em dupla e pesquisa. Desde a primeira série já é possível trabalhar com os alunos a noção de comprimento, mas é mais proveitoso começar o ensino com as unidades não padronizadas, pois o sistema de unidade medidas é construído pelo aluno a partir de padrões arbitrários e próximos da sua realidade.
COMO ENSINAR MEDIDAS?
Primeiramente é preciso ter a noção de distância e objetos através de passos e palmos e comparar as estaturas dos alunos. Depois de desenvolver os conceitos básicos, os alunos provavelmente já terão segurança suficiente para que se introduza as medidas com a régua.
As medições podem ser feitas de forma direta ou não. Num primeiro momento, medir é comparar diretamente duas grandezas de mesma natureza, como colocar uma régua graduada sobre um segmento para verificar o seu comprimento. Porém, num estágio mais avançado, muitas vezes não é possível medir por comparação direta. Nesses casos é preciso efetuar operações com outras medidas. Antes de fazer qualquer medição, precisamos saber que tudo o que medimos tem uma unidade, como, por exemplo, horas ou minutos para intervalos de tempo. Para obter uma medida por comparação, o aluno precisa saber o que se quer medir. Segundo Piaget, a criança não se preocupa com medições até aproximadamente 9 anos. Muito antes, contudo, ela já se envolve com medidas, embora de modo bastante informal. Para medir alguma coisa, comparam-na com outras coisas de mesma natureza, embora ainda não sintam necessidade de expressar numericamente o resultado. Por exemplo: ao verificar se é mais alta que o colega na fila, se a quantidade de refrigerante que recebeu é igual à do irmão, etc. Algumas situações, porém exigem maior cuidado, como nos casos, em que é fundamental a precisão das medidas. Aí, torna-se necessário o conceito de medida e suas aplicações. Pode-se afirmar que medir é comparar grandezas de mesma espécie, sendo o resultado de cada medição expresso por um número. Por isso, além da idéia de comparação, o mais importante no início do trabalho com medidas no ensino fundamental é sensibilizar as crianças para que percebam a importância de escolher a unidade de medida mais apropriada a cada situação.
ATIVIDADES PROPOSTAS (2ª Série/Fundamental)
Para dar início às atividades uma primeira pergunta pode ser feita para os alunos:
- Qual a diferença entre cumprimento e comprimento?
Atividade utilizando blocos de lego:
Materiais necessários:
Blocos de Lego;
Lápis / borracha/Régua;
Figuras para medir;
Uma tabela para registar a quantidade de blocos utilizados.
Medir um lado da mesa, o chão da sala de aula ou de uma figura geométrica, utilizando diferentes tipos de blocos de lego. Registrar a quantidade obtida em uma tabela (sugestão abaixo):

Objeto
Mesa/Chão da Sala/ Quadrado/Retângulo, etc. _________________________________________________
Quantidade de Blocos utilizados:
Blocos grandes/ Blocos médios/ Blocos pequenos
_________________________________________________

- Trabalhar com as seguintes perguntas:
a) Qual o bloco de lego que foi utilizado mais vezes nessa medida? Por quê?
b) Qual o bloco de lego que foi utilizado menos vezes nessa medida? Por quê?
c) Quantos blocos de lego foram utilizados em cada medida?
d) O número de vezes que o bloco pequeno foi utilizado é o mesmo em todos os objetos?
Outras sugestões para serem trabalhadas:
Conservação de comprimento: Com vários blocos de lego monta-se duas fileiras, mostrando para criança que as duas são do mesmo tamanho. A vista da criança, transforma-se uma fileira de posição mantendo a mesma quantidade e pergunta-se: “E agora, as duas fileiras são do mesmo tamanho?”
De forma interdisciplinar (Uma dica: Educação Física)
Na fila, propor para os alunos verificar quem é o mais alto.
Vamos ver quem consegue pular mais longe? Partindo de uma linha demarcada no chão, cada participante pula e marca com seu nome o comprimento do pulo.
Discutir as diferentes possibilidades de medir utilizando as partes do corpo (palmo, pé, polegada). Escolher como unidade uma parte do corpo e medir o comprimento dos saltos de cada elemento do grupo:
O que utilizaram para medir o comprimento dos pulos?
Utilizando como unidade a parte do corpo de diferentes pessoas, a medida encontrada foi a mesma?
Como poderíamos medir, de forma que não houvesse diferenças?Por quê?
Bibliografia:
COUTINHO, Maria Tereza da Cunha; MOREIRA, Mércia. Psicologia da educação. Belo Horizonte: Editora Lê Ltda, 1992.
KAMII, Constance. A Criança e o Número. Campinas: Papirus,29ª edição,2002.

video
Vídeo da apresentação

Nenhum comentário: